Herdeiro da Pampa Pobre

No último domingo foi dia dos país aqui na Suécia. Foi o meu primeiro na condição de pai. Comemoramos a data na capela local, onde a predicante, Johanna Keck, ostentando um divertido crucifixo de lego amarelo, celebrou uma missa interativa entre pais e filhos. Ao final, confraternizamos ao sabor de salsichas suecas, sob uma fina garoa de outono. Pelo cenário, bem poderia ter sido em Porto Alegre. Ou em Curitiba. Ou em Montevidéu.

 

A tônica do serviço foi na alegria de se encontrar o caminho de volta à Deus e no valor inerente a cada ser humano, como indivíduo em si. O sermão me fez lembrar de quando eu era criança e no Brasil daqueles tempos. Inevitavelmente comparei com o país que temos hoje e me senti um pouco como naquela música do gaúcho da fronteira: herdeiro de uma pampa pobre. O Brasil que vou deixar para minha filha é tão diferente daquele em que eu cresci, que às vezes não me reconheço mais nele.

 

O Brasil que eu conheci era um país com inúmeros problemas, mas onde as pessoas eram de uma gentileza infinita. Mesmo na pobreza a gente era de uma elegância e de uma dignidade ímpares, de fazer corar de inveja muito aristocrata europeu. Era o Brasil de Machado de Assis, do Sítio do Pica-Pau Amarelo, dos Trapalhões. Era o Brasil do Tom Jobim e do malandro de sapatos brancos. Era um país com uma imensa esperança no futuro, com sede de liberdade e de ser parte do mundo moderno, da civilização ocidental. Não tinha como não se apaixonar por ele.

 

Esse Brasil infelizmente não existe mais. O Brasil de hoje é um país que se brutaliza a cada dia. Um país onde as liberdades individuais são sufocadas paulatinamente por um Estado agigantado e superburocratizado, a serviço da causa de um partido. Onde o indivíduo é minuciosamente controlado por uma teia de regulamentos, sem mais função que a de realizar o delírio stalinista de um grupo inebriado com o pequeno poder. É um país onde até o humor adquiriu um tom metálico, e as pessoas que antes a gente admirava passam agora por uma sombria transformação. De defensores da liberdade a defensores de censura, de delinquentes e de ditadores patéticos. O meu Brasil não é o Brasil da Paula Lavigne, do Black Bloc e do Lula.

 

E tampouco é este país que eu quero deixar para a minha filha. Estamos herdando, sim, uma pampa pobre. Mas junto com ela vem uma história – individual, familiar e coletiva -, que encerra os valores que nos definem e que temos de semear para que as próximas gerações herdem uma pampa mais rica. E esses valores são os valores da Civilização Ocidental: a liberdade individual, a família e a tradição judaico-cristã.

 

Há momentos em temos de assumir a responsabilidade pelo nosso futuro e pelo futuro do nosso país. É disso que trata este blog: da defesa dos valores que conformam a Civilização Ocidental contra toda a tentativa de desumanizá-la, seja por meio da burocracia, do autoritarismo ou do mensalão.

 

Se você acredita, como eu, que o Brasil pode voltar a ser um país livre e digno, onde a gente tenha vontade de viver e criar os nossos filhos, espero que você encontre aqui um espaço de diálogo e intercâmbio de idéias. A gente tem muito para conversar.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s