O Salão Vermelho

Como parte de meus estudos de sueco, estou lendo Röda Rummet (The Red Room, na tradução em inglês, disponível em e-book na Livraria Cultura por R$ 4,42), de August Strindberg. Trata-se de um clássico da literatura ocidental que muito vem me impressionando, entre outras coisas, pelas semelhanças que guarda com o Brasil atual.

August Strindberg (1849-1912) é o pai da literatura sueca moderna. Sua obra é vastíssima e, ao longo de quatro décadas, foi do realismo ao surrealismo, passando pelo naturalismo e pelo expressionismo. Strindberg, ao lado do norueguês (que escrevia em dinamarquês) Henrik Ibsen, é considerado um dos pais do teatro moderno.

Röda Rummet é, assim, o primeiro romance moderno da literatura sueca. Publicada em 1879, a novela, de caráter realista, faz um retrato da sociedade de Estocolmo da época. O enredo acompanha as experiências de Arvid Falk (alter-ego de Strindberg), um jovem idealista que, renegando a mediocridade burocrática, abandona um cargo público prestigioso e lança-se em uma carreira de escritor e jornalista. Em suas novas funções, Falk torna-se um observador atento de inúmeras atividades sociais, como os negócios, a política, as artes, etc, nas quais ele encontra apenas um caldo de hipocrisia, corrupção e infelicidade. Seu único alento está em um grupo de amigos boêmios, que se reúnem no Salão Vermelho do Hotel Berns (ainda hoje um dos melhores restaurantes da cidade), que dá título ao romance.

Chama à atenção o contraste moral entre a sociedade sueca atual e aquela descrita por Strindberg, que assume feições opostas mesmo à ética luterana, bastante presente na cultura escandinava. O grau de hipocrisia, mediocridade e corrupção (sim leitora, não é exclusividade nossa) só encontram paralelo nas repúblicas bananeiras que nós bem conhecemos. Na verdade, o romance poderia muito bem passar-se no Brasil companheiro atual.

É interessante mesmo comparar Röda Rummet com seu equivalente no Brasil, o Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, publicado em 1881. Em Brás Cubas, Machado descreve, em tom irônico e pessimista, uma sociedade em linhas gerais bastante próxima daquela pintada por Strindberg, mas que, em comparação com aquela que vivemos nos dias de hoje, mais parece um oásis de ingenuidade. Salta aos olhos, antes de mais nada, a nossa total perda de elegância e de dignidade. A conclusão óbvia, cara leitora, é que ao longo do século XX, a sociedade sueca melhorou e a brasileira se despedaçou.

A explicação mais rasteira, e preferida pela esquerda caviar, é a de que o Brasil é um país em desenvolvimento, pobre e muito desigual, ao passo em que a Suécia é um país rico, igualitário e que recebeu muita ajuda internacional após a Segunda Guerra. Não caia nessa, cara leitora. Trata-se de uma clássica falácia “non sequitur”, isto é, não há nenhuma correlação lógica entre pobreza e mau-caratismo, corrupção e bandidagem. O problema do Brasil é moral e cultural, não econômico. Pobre não é bandido.

A boa notícia é que as sociedades, assim como as pessoas, mudam. Para melhor ou para pior. 2014 está aí e é um ano decisivo para definirmos o rumo que o Brasil vai seguir. Espero que em 100 anos, as pessoas não olhem para o Brasil petralha como a gente olha para o Brasil de Machado: com saudade.

O Salão Vermelho. Imagem: Bengt Nyman

O Salão Vermelho.
Imagem: Bengt Nyman

Anúncios